3 de março

Gostou? Ajude a espalhar por aí...

Mônicas, unidas, jamais serão vencidas! Em 3 de março de 1968, a personagem Mônica, aquela do Maurício de Sousa, estreava na Folha de S. Paulo… e na mesma data, só que em 1999, Monica Lewinsky, a ex-estagiária de Bill Clinton, prestava seu depoimento sobre aquela história meio mal contada a respeito das horas extras na Casa Branca. Trabalhar além do horário nem sempre tem regras claras…

Mas no futebol a regra é clara: falta dentro da área é pênalti! Mas não era assim antes. Quando a pelota criava aquele risco de gol, pimba!!! Um chega pra lá encerrava a jogada e ficava por isso mesmo. Foi então que o goleiro irlandês William McCrum decidiu botar ordem na casa em 3 de março de 1891 e criou a lei de número 13 nas regras do esporte bretão: “Em caso de infração dentro da grande área, um chute em pequena distância com participação unicamente do batedor e do goleiro adversário.” E lá estava a certidão de nascimento da penalidade máxima!

A criação do Pênalti deve ter sido notícia, mas a revista Time não publicou nada a respeito. A publicação, uma das mais importantes da história, seria criada anos depois, em 3 de março de 1923. Não falou nada sobre a nova regra, mas deve ter divulgado uma música que faz sucesso até hoje na terra do Tio Sam: o hino nacional americano!

Em 3 de março de 1931, “The Star-Spangled Banner” era adotada como o hino da nação. A letra está na boca e nos corações de todos os americanos… mas no resto do mundo o conhecimento da letra deve parar em “Oh, say can you see…”, na metade do primeiro verso.

Com ou sem hino, bora honrar esse 3 de março que espera por nós!

Antes de ir, aquele bônus pra vc andar por aí e alimentar seus neurônios…
* A história do Pênalti
* O Hino americano, com direito à tradução


Gostou? Ajude a espalhar por aí...

Um comentário em “3 de março”

  1. Sergio L.Cibulski disse:

    Nossa vida é regulada pelos penaltys que sofremos. Começa nos primórdios da nossa infância que começa com a frase: “Isso não pode” . Logo depois, quando pensamos em aprontar, vem a palavra sozinha pronunciada com ênfase: NÃO. Crescemos mais um pouco curtindo nossa adolescência e depois um longo planejamento com uns amigos para ir a um show nossos pais dizem que é perigoso e cortam nosso barato. Ia ser legal. Durante o resto da nossa vida receberemos ainda muitos nãos que acabariam em jogadas de gol. Parece que o penalty foi bem criado para botar ordem na casa. Não importa se você é defensor ou atacante, tem que fazer do jeito certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Post